Finalmente criei coragem e participei do Startup Weekend. Sobrevivi, gostei, e com certeza participarei de outros.

Foi um final de semana inspirador, conheci jovens com energia e motivação para realizar projetos de alto impacto para a sociedade. Senti falta do público sênior, que aproveitaria o evento como oportunidade de oxigenação.

Para quem não conhece, trata-se de um evento realizado em mais 150 países, que já reuniu mais de 23 mil grupos de empreendedores. Estes trabalham em seus projetos de startups durante 54 horas, para apresenta-los a um notável júri que selecionará o vencedor.

A “maratona” inicia na sexta-feira à noite e se encerra no domingo. Durante este período os participantes construirão o seu MVP (produto mínimo viável) a partir de uma ideia que foi apresentada e selecionada pelos próprios participantes no início do evento.

Como eles dizem no Startup Weekend, neste final de semana a missão é: “Zero to Hero” ou seja, sair de uma ideia, montar um negócio e fazer algum dinheiro com ele para comprovar a sua viabilidade.

Quando li o livro fiquei interessado em conhecer melhor o que eles chamam de Educação Experiencial (aprender fazendo) que é um dos pilares do Startup Weekend. Também chamaram minha atenção temas como: Network da Ação, Busque Talentos, Não Investimentos, dentre outros.

A metodologia proposta pelo Startup Weekend para a realização dos trabalhos é o QSL e contempla 7 passos:

Passo 1 – Defina Sua Idéia

Passo 2 – Criar um time para sua startup

Passo 3 – Identificação de Problema

Passo 4 – Validação

Passo 5 – Solução

Passo 6 – MVP

Passo 7 – Venda!

A seguir, descrevo minha impressão sobre temas do livro que selecionei para comprovar no evento. Acredito que esta poderá ser diferente em outras participações, dependendo do propósito (este evento foi Smart Cities), dos organizadores, participantes, e especialmente da minha atuação.

Se eu pudesse resumir em algumas palavras as experiências que vivi no Startup Weekend São Paulo Smart Cities, estas seriam:

Propósito – Desafiador na perspectiva pessoal e relevante na perspectiva social.

Pertencimento – Nos grupos, no Startup Weekend Smart City SP, no Startup Weekend Organização.

Network – Bom entre os membros do grupo e frágil entre os grupos.

Reputação – Fortalecimento da reputação dos mentores e jurados.

Método – Pouco estruturado, anárquico, mas efetivo.

Resultados – Altos, pois todos cumpriram a “missão”.

Recomendo fortemente a participação de todos, mesmo para aqueles que não desejam montar uma Startup, pois é uma excelente oportunidade de aprendizado, especialmente quanto a desafios pessoais e trabalho sob pressão.

Muito obrigada e saudações,

Por: Rogério Nunes
Consultor e Diretor de Educação da ABRACEM