Você já parou para pensar quantas horas da sua vida são dedicadas ao trabalho? E esse tempo tem sido benéfico para você?

O trabalho é uma das áreas mais influentes na vida das pessoas. É através dele que alcançamos sonhos, realizações profissionais e o mais importante: o sustento. Mas nem sempre só essa percepção será suficiente para fazer com que as pessoas sintam prazer em trabalhar. E quando falamos dessa relação de trabalho e bem-estar várias questões precisam ser levadas em consideração.

Após o advento da pandemia, que mudou completamente a vida de todos e, principalmente da grande maioria dos trabalhadores que precisaram se reinventar para permanecer no mercado de trabalho, a qualidade de vida e a saúde mental têm sido tema de muitos debates. Isso porque a pandemia aumentou consideravelmente o número de afastamentos por motivos de transtornos mentais. Em cinco anos, o número de trabalhadores e trabalhadoras afastados por ansiedade, depressão e outros transtornos mentais aumentou mais de 50%. Em 2015, foram afastados 170.830. Em 2020 foram afastados 289.677, segundo a CUT (Central Única dos Trabalhadores).

Dentro desse cenário de crescente aumento de trabalhadores com problemas de ansiedade e outros semelhantes, o quanto dessas causas podem ser atribuídas ao ambiente de trabalho?

A cobrança de metas de produtividade mal planejadas, o assédio moral, os conflitos nos relacionamentos interpessoais não tratados, a falta de organização de rotinas, que deixam o colaborador sem clareza do significado de suas atividades, a remuneração não justa e, principalmente, o estresse no ambiente de trabalho prejudicam a saúde mental do trabalhador.

Apesar de muitas empresas ainda não levarem em consideração a importância da saúde mental no ambiente de trabalho, isso não significa que o tema deva ser posto em segundo plano. Ao contrário, a saúde mental no ambiente de trabalho deve ser disseminada como essencial para que a relação entre a empresa e os colaboradores seja a mais benéfica.

Sendo assim, pergunta-se: o que as empresas podem fazer para preservar a saúde mental de seus colaboradores? Seguem algumas dicas valiosas.

Incentivar ações que promovam a qualidade de vida no ambiente de trabalho, tais como: festas dos aniversariantes do mês, pequenas pausas para ginasticas laborais, palestras de orientação sobre o tema, estímulo a práticas de atividades físicas, estabelecimento de metas claras e alcançáveis, e principalmente, a criação de uma conexão emocional saudável entre o colaborador e a empresa.

Conforme os trabalhadores compreendam, apoiem e internalizem os objetivos da empresa em que trabalham, mais significativa será a relação entre ambos. Então é importante que cada vez mais o trabalhador seja visto como um parceiro e não só uma ferramenta na busca de resultados financeiros. Esse parceiro precisa conhecer a cultura organizacional, se sentir parte importante dela e, sobretudo, atrelar o seu trabalho a seu propósito de vida.

Finalizo ressaltando a importância de investimento na promoção da saúde mental no ambiente de trabalho, pois as empresas não são feitas apenas de infraestrutura física, mas também por pessoas, que se estiverem emocionalmente saudáveis serão ainda mais produtivas.

Autora: Patrícia Silva Santos