The Boy Who Harnessed the Wind, é um filme de drama britânico de 2019, dirigido e estrelado por Chiwetel Ejiofor em sua estreia como diretor.

Um filme que todos deveriam assistir sempre que o abatimento vier à tona. Expõe fortes e inadmissíveis questões sociais, ressalta o poder das habilidades pessoais quando aliadas às conceituais e demonstra o poder transformador do empreendedorismo e da inovação.

The Boy Who Harnessed the Wind, é um filme de drama britânico de 2019, dirigido e estrelado por Chiwetel Ejiofor em sua estreia como diretor. O filme é baseado no livro de memórias The Boy Who Harnessed The Wind, de William Kamkwamba e Bryan Mealer. Com base nessa obra cinematográfica, fiz cinco relações com o mundo do empreendedorismo para refletirmos.

1 – A oportunidade está em todo o lugar
William Kamkwamba, personagem principal da obra, sentia a todo instante a curiosidade e o desafio batendo a sua porta. Enquanto a fome assolava sua família, ele foi capaz de encontrar no vento a chave para trazer água para a sua comunidade. Não sabia como era possível, mas uma voz interior (que pode ser chamada da forma que preferir) sempre o instigava a ousar. Em meio à seca africana, à fome, o sol escaldante e a oposição dos cegos de plantão, ele encontrou a oportunidade e prosperou.

2 – Empreender é questão de sobrevivência
Não há nenhuma novidade na literatura e nos cases de administração que lemos que as crises geram oportunidades. Muitas vezes, somente com um empurrão que abala nosso psicológico, saímos definitivamente da zona de conforto e criamos algo. William descobriu a energia eólica e muitos empreendedores descobriram que é possível prosperar após uma derrota.

3 – Resiliência amplia chances de sucesso
Um dos pontos que também precisa ser ressaltado durante o filme é o sentimento de angústia e desesperança perene. Sonhar em um mundo cético é avassalador. Mesmo sentados no conforto de nosso lar é possível sentir a angustia da situação, as críticas e o deboche. “Você gosta de fazer brinquedos, William”. Imagine ouvir isso enquanto você tem a solução para salvar milhões da fome.

4 – A negativa não pode nos desencorajar
A luta por defender argumentos, convicções com educação e respeito a todo o momento também marcam a personalidade de William.

Quando tudo conspira contra, é preciso recomeçar. O personagem inspirado na história real comprovada com relatos e imagens chorou, apanhou e passou incríveis necessidades. Porém, nunca desistiu dos seus sonhos. Empreender é vender e pôr em prática sonhos todos os dias.

5 – Recursos importam, mas determinação supera
A falta de ferramentas, recursos e de apoio da sociedade ficaram evidentes em todo o filme. Mas sempre William surpreendia.

Assistindo a aulas escondido, lendo livros técnicos rapidamente e vasculhando um lixão de ferro velho para encontrar baterias sem carga, o jovem perseverava. Muitas vezes o empreendedor não começa nas melhores condições. Não tem uma sede bonita, um capital de giro ou conhecimento gerencial. Mas se ele acorda pela manhã com a certeza de que está o caminho certo, uma hora a maré tende a virar.

Fonte: Administradores.com.br